RODAPÉ EMBUTIDO

Uma das boas ideias que meu marido trouxe do Mato Grosso do Sul, foi o rodapé embutido, até então, eu nunca tinha visto aqui em Curitiba e só fui ver lá no MS mesmo, pois lá a maioria das casas que fui os rodapés são todos embutidos.
Para quem nunca viu, fica assim:
Aqui em casa o marido nem perguntou se eu queria rodapé embutido ou recuado da parede, simplesmente fez do primeiro modo pois sabia que eu iria gostar. Amei! Logo de cara, quando eu vi tudo colocado, já imaginei os móveis rentes com a parede, coisa que com o rodapé recuado não acontece.
O reboco não é feito até o chão. Aqui em casa foi deixado um pedaço sem rebocar de mais ou menos 12 cm, pois nosso rodapé tem 10cm de altura e daqui uns anos, como nós pretendemos trocar o porcelanato junto com os rodapés (por causa dos problemas das manchas), vamos colocar um rodapé maior estilo Santa Luzia, só que, embutido rs.
Depois de colocado o rodapé, é passado uma massa ou gesso para tampar o buraco e fica 100% rente com a parede.
Nas casas que o marido tem feito por aqui, ele fala do rodapé embutido e os clientes topam que ele faça assim e depois, reconhecem que realmente fica bom, principalmente na hora de instalar os móveis.
Hoje mesmo, eu vi um site de arquitetura dizendo que é errado colocar rodapé embutido e que ele não foi feito pra isso. De cara já vi que era um equívoco essa afirmação, principalmente após ler um comentário, nesse mesmo post, de uma pessoa que entendia do assunto, afirmando o contrário.
Lembrei do que o marido me falou quando perguntei o por que das pessoas não fazerem as casas com rodapé embutido:
Alguns pedreiros tem preguiça de cortar o reboco ainda mole, e depois ter que passar massa novamente para tampar o buraco
Alguns pedreiros não tampam o buraco direito fazendo com que fique desnivelado com a parede, mostrando aquelas torturas horríveis
3º O rodapé embutido é cobrado a parte para colocar, já o tradicional é incluso.
4º Tem gente que prefere o rodapé recuado, para fora da parede
E como tudo tem suas vantagens e desvantagens vou listá-las aqui sobre o rodapé embutido. Se vocês lembrarem de algum item me avisem rs…
Vantagens:
 – Fica rente com a parede permitindo que os móveis fiquem bem encostados nela
 – Não junta poeira igual o rodapé comum
 – O espelho pode continuar até o chão, sem ter que tirar o rodapé ou ter que parar nele. (esse item é aconselhável apenas em casos onde o espelho não fique na mira dos pés)
Desvantagens:
  – como os móveis ficam rentes com a parede, nesse caso, a chance de ter a parede riscada é maior, mas isso acontece só com os móveis que não são fixos.
Vale lembrar que esse tipo de rodapé só fica bonito se tiver um ótimo acabamento e fica melhor ainda se for retificado, pois se tiver a borda meio arredondada o rodapé não fica totalmente rente com a parede.

Ideias para aparador de cama

Já pensou em um aparador de cama? Não aquelas mesinhas pequenas ou retráteis, mas sim, um aparador mesmo, igual ao que se usa em salas, só que para dormitório, assim…
Essa ideia é perfeita para quem gosta de comer, usar o computador, escrever ou fazer outra atividade em cima da cama. Pelo menos eu, sempre gostei de me enfiar de baixo das cobertas e ficar mexendo no notebook, mas chega uma hora que ele começa a esquentar aí sem chance, tenho que pular pra mesa. Maaas, a sorte é que existe esse aparador.
O aparador para cama existe há anos, mas por aqui ainda não é muito usado, até porque não existe tantas fotos dele como existe de qualquer outra coisa nos sites de pesquisas, mas creio que logo logo vai cair no gosto de muita gente pois é um móvel simples, super simples, prático e funcional.
Encontrei essa foto aqui em baixo, que é de 2010, então não é um móvel novo, só não foi bem explorado ainda rs. O aparador é da IKEA (minha loja sonho de consumo que desistiu do Brasil :/).
FONTE: Apartment Therapy
Fiquei ainda mais curiosa depois de ver essas fotos e fui pesquisar para ver se aqueles aparadores usados em salas serviriam como aparador de cama. Cheguei a conclusão de que depende muito do tamanho da cama, principalmente, da altura dela.
A cama que eu tirei como modelo para saber a altura do aparador é bem alta, então meu aparador teria que ficar com 90 cm de altura. Mas, para saber que altura fazer que dê certo na sua cama é só medir a altura da sua cama e acrescentar mais 15 cm mais ou menos (que é a altura da sua perna quando está sentada na cama).
Já a largura que eu coloquei de 1,68 é baseada na minha cama que tem 1,38. Deixei 15 cm de folga de cada lado para o aparador correr entre a cama. Então, se a sua cama for maior ou menor é só pegar a largura da cama e acrescentar mais 30 cm (para ficar 15cm de folga de cada lado).
A profundidade de 45 cm você pode definir para mais ou para menos, desde que caiba as coisas que você queira usar no aparador. Para mim, que usaria um notebook, caderno, copo, comida (tudo junto rs) a profundidade ideal é 45 cm. E também, se ficar com uma profundidade muito grande, visualmente não fica bonito.
Detalhe, se for fazer, coloque rodinha, que vai facilitar a locomoção 😀
O bacana é que dá tanto para cama de casal como de solteiro e dá também, para ficar decorando a cama quando não estiver usando.

SAPATEIRAS DENTRO DO GUARDA ROUPA

SAPATEIRAS DENTRO DO GUARDA ROUPA

By: Mayara Camargo

Que mulher não sonha com uma sapateira lotada de sapatos bem organizados? Eu não tenho tantos sapatos mas mesmo assim, gostaria de ter um lugar só para eles e, pensando no assunto, percebi que nem sempre temos um espaço sobrando para colocar uma sapateira separada do guarda roupa ou até mesmo, simplesmente não queremos ela fora dele então, seria bacana planejar uma sapateira dentro do guarda roupa na hora de comprar móveis novos.
Sendo assim, separei alguns modelos de sapateiras que ficam dentro do guarda roupa mesmo. Não levem em consideração o tamanho das sapateiras e sim, os modelos:
 

Não consigo me decidir se achei esse modelo bacana, mas alguma coisa me chama atenção, talvez o vidro ou as divisórias rs:

Gostei muito desse modelo, acho perfeito para espaços pequenos e fica bem prático:

Tenho visto vários compartilhamentos, no facebook, desse tipo de sapateira e fiquei tão curiosa que já sei até como fazer rs:

A mesma ideia da foto à cima, porém, um pouco melhor pois tem uns suportes que não deixam os sapatos ficarem “andando”:

Esse é o meu preferido. Parece vitrine de loja:

E vocês? Conhecem um modelo bacana de sapateira? Gostaram desses?
Beijo

Como fazer uma bandeja usando uma moldura

Alô você que sempre quis uma bandeja bonita e barata, atenção para essa ideia! Pega uma moldura pronta, um cinto antigo e vem comigo aprender o passo a passo de hoje no Histórias de Casa. Se você tem dificuldade em tomar decisões, como eu, vai achar esse o melhor DIY da história, porque dá pra trocar a estampa da bandeja quantas vezes quiser. Vale um desenho, um papel de presente, um tecido, ou o que você pirar em fazer.

Como fazer uma bandeja usando uma moldura

E ah, desculpa que essa semana to meio ausente e o blog tá às traças, mas o motivo é nobre: to me preparando pra gravar um quadro de um programa de TV aqui de Santa Catarina. :O Todos orando pra eu não fazer frasqueira e virar meme! hahaha. Assim que der divulgo tudo. <3

Não esquece de clicar pra conferir o passo a passo da bandeja.

Aparador de livros em formato de maçã – Como Fazer

Vocês já pararam pra pensar que há moldes para projetos DIY onde você menos imagina? I see moldes everywhere. Outro dia tava numa loja dessas que têm de tudo (no caso, é exatamente esse o slogan da marca, haha) e enxerguei um balaio cheio de potes em promoção. No meio dos quadradões tinha maçã, hamburguer, coração, uva, limão. Catei a maçã e o coração pra mim. Como eu tinha bastante gesso que sobrou desse projeto aqui, resolvi fazer um aparador de livros, que também poderia ser peso de porta, peso de papel ou só um objeto decorativo pra enfeitar um canto qualquer. Se você quiser pode substituir o gesso por cimento, ACHO que dá certo também.

Aparador de livros em formato de maçã

Esse pote em formato de maçã não é difícil de achar. Dá uma olhada no mercado ou nas lojas de 1,99 na sua cidade. Eu já vi pra vender em vários lugares, inclusive tive esse potinho antigamente, mas não sei onde foi parar.

Materiais que será utilizado

Gesso | Água | Tinta acrílica na cor que preferir | Estilete | Pincéis | Pote de maçã | Óleo de cozinha | Alicate

Passo 1

Com o estilete, faça um furo na parte de baixo do pote. Não precisa ser muito grande, só suficiente pra inserir o gesso. Tenha cuidado pra não se cortar, hein? O plástico é meio durinho.

Passo 2

Pincele óleo em toda a área interna do pote. Ah, eu também separei os dois pedaços da maçã, cortando a abinha da dobra (achei que facilitaria na hora de soltar o gesso).

Passo 3

Misture o gesso conforme as instruções da embalagem e preencha o molde. Aí é a hora de deixar secar.

Passo 4

Espere de 2 a 3 horas para retirar o molde. Não vou mentir, mesmo untando o pote, não é fácil soltar a maçã. Use o alicate para ajudar na tarefa, puxando pelas abas. Tenha delicadeza e paciência, pra não quebrar nenhum pedaço do gesso. Eu acabei quebrando o cabinho e um pouco da folha. O cabo acho que é inevitável, vai quebrar mesmo, porque ele é muito fininho. Mas não tem problema. Desde que o estrago não tenha sido muito grande, você consegue consertar as falhas com uma lixa fininha. Depois disso tudo, pinte a maçã como e se você quiser. Escolhi pintar de azul claro (minha maçã é transgênica), então misturei as tintas turquesa e branca, e fiz um dip dye não muito certinho, com as pinceladas marcadas.

Aparador de livros em formato de maçã

Se você quiser, pode fazer duas maçãs, e usar um aparador de cada lado. Gostou? 🙂

5 coisas para saber antes de começar a decorar

Nesse post listamos 5 dicas para quem esta começando a decorar sua casa.

5 dicas decorar

1. Não use móveis para incorporar uma tendência

Esses dias tava lembrando do dia em que comprei meu sofá, pouquinho tempo depois que fui morar sozinha. Na hora de escolher o tecido pra estofar, me apaixonei por um floral, nada discreto. Na época eu tava numa onda de coisas românticas. Pra minha sorte (hoje eu enxergo isso, he), esse tecido custava umas 3 vezes mais que os outros do catálogo, então eu acabei escolhendo um mais em conta e neutrão mesmo (meio cinza). Aí esses dias lembrei disso e fiquei pensando que, se eu tivesse escolhido aquele floral, estaria fadada a manter por um bom tempo toda a decoração da sala pensando nele, já que era uma peça bem marcante. Como vocês sabem, eu tenho uma leve compulsão por redecorar a casa com uma certa frequência (vide o nome do blog). Desde que comprei o sofá, a decoração da minha sala já mudou algumas vezes (mas os móveis permanecem os mesmos). E aí, como eu faria? Provavelmente teria reestofado o sofá em algum momento. Mas era mais dinheiro que eu iria gastar. Não teria valido a pena.

Já que eu não tinha comprado o sofá floral, a solução durante a fase romântica foi investir em acessórios baratos que tivessem essa vibe. Taquei a estampa numa cúpula de abajur, em almofadas e misturei na composição objetos com uma cara mais provençal. Fiquei feliz e não comprometi meu bolso. Portanto, se você é como eu, que gosta de mudar a casa e a vida o tempo todo, não se apegue a tendências na hora de investir em móveis e objetos caros pra decoração da sua casa. Uma das maneiras mais acessíveis de dar uma cara específica pra sua casa é criar projetos DIY (e nisso eu posso te ajudar, dá uma fuçada aqui no blog).

2. Pesquise referências antes de começar a decorar

Lá em 2009 eu ainda não usava o Pinterest como fonte de inspiração (aliás, já tinha Pinterest?). Minhas referências vinham da observação de ambientes na vida real, em algumas revistas e muito pouco da internet. Hoje, sem grande esforço, a gente encontra referências em milhares de sites e até nas redes sociais, como o Instagram, que tem muitos e muitos perfis dedicados a mostrar ideias de decoração.

Buscar referências é, mais do que se inspirar em ideias testadas que se encaixam com seus gostos e interesses, treinar o olhar. Eu aprendo muito, mas muito mesmo, com a observação. Aliás, acho que é a forma mais fácil de eu aprender alguma coisa. Com o tempo, depois de ver tanta coisa, intuitivamente você sabe o que funciona e o que não funciona, o que fica legal e o que não fica. Além disso tudo, acho que buscar referências é também se conhecer. É separar o joio do trigo, o que você gosta do que não gosta. Portanto, não saia aleatoriamente comprando coisas pra decorar sua casa. Pare, pesquise, observe.

3. Tenha paciência

Eu sou uma pessoa muito ansiosa, muito mesmo. Quando eu me proponho a fazer alguma coisa, quero ver tudo pronto logo e, às vezes, acabo atropelando as coisas. Quando comecei a decorar não foi diferente. Muitas vezes eu acabava comprando alguma coisa com pressa só pra preencher algum vazio (não interior, físico mesmo haha), alguma necessidade, e depois me arrependia, porque, ou percebia que não tinha gostado tanto do negócio, ou porque não funcionava tão bem no espaço quanto parecia. Eu sei, às vezes a praticidade nos leva a comprar alguma coisa naquela loja perto de casa. Mas a paciência pode te ajudar a evitar arrependimentos e gastos desnecessários.

Nunca esqueço um trecho da biografia do Steve Jobs, que dizia que ele, perfeccionista como era, passou anos com a casa vazia, simplesmente porque não encontrava móveis de que gostava. Ok, não precisa chegar a esse ponto, mas use essa história como inspiração. Pense que algumas coisas de decoração vão provavelmente ficar por 5, 10, 15 anos (ou até mais) na sua casa, então tenha paciência para pesquisar e fazer as melhores escolhas. Com tantas opções hoje em dia, em lojas físicas e virtuais, fica difícil não encontrar o móvel bem do jeito que você queria.

4. Misture o novo com o antigo

Logo que fui morar sozinha, queria tudo novo. Acho que eu tinha aquela sensação de “agora a casa é minha, só minha”, então não queria nada que já tivesse sido de alguém. Eu não podia estar mais enganada. Há uma energia, personalidade e aconchego que só objetos e móveis antigos trazem à casa. Acho que quando a gente usa só peças novas para decorar, corre o risco de deixar o ambiente um pouco pasteurizado, com cara de show room de loja, sabe? Não que eu ache feio, não é. Mas, pra mim, falta história, falta identidade, falta emoção. Além disso, reutilizar móveis e objetos antigos também é uma escolha consciente e sustentável. E não esqueça que você sempre terá a opção de dar uma cara nova para eles com alguma ideia DIY.

Com o passar dos anos eu fui adquirindo alguns objetos vintage pra misturar com as coisas novas, e eu amo cada um deles, como se fossem meus filhos. O bom é que, pra incorporar essa mistura de novo com antigo, nem precisa se afundar em leilões de móveis que pertenceram à família real. Revire as lojas de móveis usados no centro da sua cidade, pesquise no Mercado Livre (já encontrei coisas com preço bem bom por lá), ou vá até a casa da sua mãe/vó e faça cara de cachorro em frente àquela jarra na cristaleira. Certamente elas te farão a doação, com carinho (funciona pra mim haha).

5. Não priorize a estética em detrimento da funcionalidade

Sabe quando você cria toda uma composição na decoração que fica linda na foto, mas no seu dia-a-dia corrido, que demanda praticidade, não funciona? Às vezes você acha lindo botar livros e vasinhos na mesa lateral, mas não sobra espaço pra colocar um copo quando vai deitar no sofá pra assistir um filme. Pois é, eu já fiz isso. Ou então, você quer muito aquele tapete clarinho maravilhoso, mas faz festa todo fim de semana e ainda tem 2 cachorros e 1 mini-porco (não, eu não fiz isso, mas gostaria de ter 2 cachorros e um mini-porco <3). Pensa na paranoia que você vai ficar quando começar a enxergar o negócio ficando marrom e no trabalho que vai ter pra limpá-lo com frequência. Sabe, não vale a pena.

A nossa casa é pra ser usada e deve ser confortável, antes de mais nada. É claro que não vamos deixar aquele aspirador feioso no meio da sala só porque o usamos com frequência, mas é legal encontrar um meio-termo. Acho que tentar equilibrar seus hábitos, o uso que faz da casa, com a decoração e tudo aquilo que você acha bonito, é a melhor forma de ter um relacionamento saudável com seu lar. E viveram felizes para sempre.

E você? Tem alguma coisa que gostaria que te dissessem quando decorou a sua casa pela primeira vez? Algum arrependimento? Comente!

Mercado Imobiliário: Presente e Futuro

A cada dois anos, todo o trade do setor imobiliário brasileiro se reúne no CONAMI – Congresso Nacional do Mercado Imobiliário. Em 2017, o evento vai ser realizado em Salvador, de 01 a 03 de novembro, no Hotel Deville, localizado no famoso bairro de Itapuã, eternizado na poesia e nas canções de Vinícius de Moraes e de
Dorival Caymmi.

Organizado pelo SECOVI-BA, o 19º CONAMI pretende reunir cerca de 700 participantes na capital baiana, com o objetivo de promover um debate aprofundado sobre os principais temas que norteiam o segmento no País, com a presença de palestrantes renomados.

Assuntos como atualidades do mercado imobiliário, leis, efeitos e superação da crise, economia, tecnologia, tendências, entre outros, serão apresentados e debatidos junto dos participantes, a fim de criar um painel contemporâneo do mundo dos negócios nos âmbitos nacional e internacional.

Com uma grade temática diversificada, o 19º CONAMI é voltado para empresários, administradores, executivos, diretores, gerentes, entidades de classe, advogados e profissionais vinculados ao mercado imobiliário.

O propósito do evento é criar um ambiente de discussão acerca de acontecimentos, pesquisas e realidades que impactam diretamente nas ações e resultados do setor, afim de fortalecer toda a cadeia econômica, enriquecendo o conhecimento dos profissionais, para que possam atuar de forma assertiva, facilitadora e criativa na busca de soluções.

Além disso, o 19º CONAMI pretende contribuir com a atualização e integração dos profissionais que atuam no segmento no Brasil, sendo uma ferramenta facilitadora e capaz de diagnosticar dificuldades, encontrar soluções, traçar oportunidades, motivar ações, revisar conceitos, promover troca de conhecimento, experiências e know-how.

“A primeira edição do CONAMI foi realizada em 1979, no Rio de Janeiro. Salvador já sediou o Congresso, em 1995, e mais uma vez, seremos anfitriões, o que nos dá muito orgulho”, disse o presidente do SECOVI-BA, Kelsor Fernandes.

Primeira capital do Brasil, Salvador é a terceira maior cidade do País e um dos destinos mais procurados por turistas nacionais e estrangeiros. A cidade é conhecida por ter belas praias, uma culinária genuína, mistura de etnias e religiões, alegria e música. Quem vem a Salvador se encanta com a cultura e sempre volta para casa com aquele desejo de querer voltar.

Local do Evento

Salvadoré uma das mais belas e visitadas cidades do Brasil. Reúne inúmeras atrações para todos os gostos: praias e belezas naturais, locais históricos, que remetem ao início da colonização brasileira, muita música, gastronomia típica, religiosidade, capoeira, além de possuir o maior carnaval do mundo. Não é à toa que a cidade é conhecida como a capital da alegria, pois é muito hospitaleira com todos que a visitam, acolhendo os visitantes do mundo inteiro com muitos sorrisos e oferecendo os melhores e mais surpreendentes roteiros.

A mistura de raças, credos e cores formou uma cultura singular em Salvador, que está presente em todas as partes da cidade, durante o ano todo, podendo ser apreciada em sua mais diversas manifestações, como a capoeira, o candomblé, a percussão, as danças e o carnaval.

Localizado em Itapuã, uma das praias mais famosas de Salvador, o hotel se destaca por estar em meio à natureza, cercado por uma bela área verde. A apenas 15 minutos do Aeroporto Internacional de Salvador, o Deville Prime Salvador está perto das melhores praias da cidade e a poucos minutos do centro.